Viajantes independentes

 

 

Conheça os melhores locais para viajar sozinha e as dicas certas para se manter em segurança

 

 Porque só se vive uma vez, por precisarem de tempo para se reencontrarem a si próprios ou simplesmente porque não conseguiram convencer família e amigos a acompanhá-los, são cada vez mais os viajantes que decidem partir em descobertas solitárias. Mas são sobretudo as mulheres quem mais se aventura. Segundo Marybeth Bond, a especialista em viagens e responsável pela revista online “The Gutsy Traveler”, 32 milhões de mulheres americanas viajaram sozinhas em 2010.

 

 

Os destinos mais votados

 Entre os membros da comunidade online Independent Traveler - criada há cerca de 20 anos nos EUA e atualmente composta por viajantes do mundo inteiro -, os locais preferidos para uma viagem a solo são Alasca, Austrália, Canadá, Caraíbas, duas cidades norte-americanas (Nova Iorque e Las Vegas) e três destinos europeus (Londres, Paris e Itália). Das quatro primeiras opções, os viajantes destacam as paisagens e o contacto com a natureza, enquanto dos EUA e Europa sublinham a oferta cultural, a agitação noturna e o património histórico. A segurança e a forma como são recebidos localmente são também pontos a favor de cada um dos mencionados (http://www.independenttraveler.com/).

 

 

Europa e Brasil

O  site Mundo das Tribos, um dos mais vistos do Brasil, recomenda duas cidades espanholas para viajantes solitários: Barcelona, pela eterna movida, e Salamanca por ser animada, acessível em termos económicos e ponto de encontro de estudantes do mundo inteiro. Londres e Berlim são outras cidades europeias que os editores do site recomendam - pelo património e pela impossibilidade de alguém se sentir sozinho em locais tão cosmopolitas. Em pleno Brasil, sugerem Rio de Janeiro, por continuar a ser a “cidade maravilhosa”, Florianópolis, pelas belas praias, e Búzios, pela paisagem e vida noturna. Em todas elas, garantem que a simpatia dos habitantes fará com que se sinta em casa (www.mundodastribos.com).

“Slow travel for women”

 O nome é em inglês, mas esta agência de viagens criada por uma norte-americana e uma canadiana, é sediada em Itália. O espírito que assumem é o mesmo da slow food e a necessidade que afirmam preencher é a de inúmeras mulheres que gostam de viajar sozinhas, em segurança, por destinos interessantes. Um dos programas mais económicos que oferecem chama-se precisamente “pack anti-crise” e consiste numa viagem de sete noites a Veneza, Florença e Roma. O pacote inclui as viagens de comboio e a estadia em hotéis de quatro estrelas com pequeno-almoço. Os preços variam entre os 720 e os 900 euros, consoante a época pretendida, e não incluem o voo.

 

 

Luxo em férias

 Se preferir programas mais acompanhados, esta agência também disponibiliza outro tipo de pacotes de viagens pela Europa, como um circuito Sicília e Malta, um outro pelas ilhas gregas e o denominado Triângulo Dourado (Viena, Budapeste e Praga). Fora do velho continente, há ainda uma proposta cosmopolita de visita a Nova Iorque: por 2700 euros, esta agência oferece um programa de cinco noites no hotel Marriott (ou similar) localizado no centro de Times Square, com guia local, transporte, bilhetes para as atividades escolhidas e ida a um espetáculo da Broadway. Para mais informações, consulte o site: www.slow-travel-for-women.com

 

 

Alugar um sofá

 Se o seu estilo pessoal for o de turista com poucos euros na carteira, então pode optar pelo muito na moda “couchsurfing” - uma rede instituída de pessoas que, literalmente, alugam os sofás das suas casas a quem se encontre de passagem (www.couchsurfing.org). No entanto, apesar de ser uma das formas mais económicas de viajar, também pode comportar alguns riscos. Para os evitar, a revista online GoMad Nomad Travel Mag dá algumas dicas aos viajantes que ponderem esta opção. Primeiramente, os editores aconselham a que contacte apenas potenciais anfitriões com fotografia e que tenham preenchido todas as informações do perfil. Leia as mesmas atentamente, bem como os detalhes relacionados com o sofá onde irá dormir, não confiando em homens que se ofereçam para partilhar o quarto. Certifique-se ainda que o potencial anfitrião já tem referências e, sobretudo, confie nos seus instintos: se alguma coisa lhe diz para não o fazer, não envie nenhuma solicitação a determinado anfitrião. Por último, os editores aconselham a que opte por ficar com famílias, contactando-as antecipadamente, para as ir conhecendo melhor. Caso não se sinta confortável num local, faça as malas e dirija-se ao hostel mais próximo.

Fonte: www.gomadnomad.com

 

Dicas:

 - Seja qual for o seu destino, o importante é mostrar uma atitude segura e determinada, para não ser vista como um alvo frágil e desprotegido.

 - Contacte familiares e amigos quando chegar, indicando-lhes o hotel onde se encontra hospedada e o respetivo contacto.

 - Para evitar assaltos, ande com pouco dinheiro e não o guarde todo no mesmo bolso ou carteira.

 - Não saia com os seus documentos originais (deixe-os no hotel), e prefira usar cópias destes.

 - Se estiver perdida, não peça informações a desconhecidos, mas antes a polícias e comerciantes locais.

 

Sites a consultar:

 - A revista para mulheres viajantes: http://www.journeywoman.com/

 - O blog “Mulher que viaja sozinha”: http://mulherqueviajasozinha.blogspot.com/

 - A agência de viagens Singles Travel: http://www.singlestravelintl.com/

 - O blog Solo Traveler: http://solotravelerblog.com/

 - O site e as dicas de outros viajantes solitários em Conecting: http://www.cstn.org/

Ana Catarina Pereira

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now